Antro Particular

15 dezembro 2006

CONGRESSO BRASILEIRO: só em Brasília Papai Noel existe

Vou ser direto: você é um idiota. Você, leitor. Isso não é uma metáfora. E eu. E o brasileiro de um modo geral e irrestrito. Idiotas.

Como é possível permitirmos o escandaloso aumento salarial de deputados e senadores? Assistir isso acontecer de forma tão descarada?

Com os benefícios, que somam verbas de gabinete, auxílio moradia, gráfica, cota postal e telefônica, passagens aéreas, carro, gasolina, escritório de representação parlamentar, entre outros, o novo salário, R$ 24.500,00, garante aos deputados federais mais de cem mil reais e aos senadores quase cento e cinqüenta mil por mês. O novo acordo de governabilidade, disfarçado em medida, estabelece ainda o teto salarial para todos os aposentados. Aposentadoria, agora, após exaustivos oito anos de trabalho, apenas dois mandatos... As nada sutis atualizações custarão anualmente mais de três bilhões aos cofres públicos.

Você se sente um idiota? Lamento pois você o é. Somos. E é com isso que contam nossos legítimos representantes: com a idiotice crônica que camufla nossas participação política e cidadania.

Miriam Leitão, no Bom Dia Brasil, telejornal matutino da Globo, para os já acordados ou os que, como eu, não dormiram ainda, comenta a incapacidade dos movimentos sociais se articularem devido administrações e financiamentos por parte dos partidos e/ou Governos. E cita como exemplo a falta de eleição direta na UNE, presidida por representantes do PCdoB, partido também do presidente da Câmara, Aldo Rebelo.

É curioso perceber como rapidamente os universitários se organizam para apedrejar ônibus quando as passagens são aumentadas, e a passividade sonsa que finge não saber o que acontece em Brasília. E me preocupo ao associar que uma imensa parcela dos políticos em atividade saiu da massa estudantil aos gritos de liberdade, justiça, democracia. Se a classe burguesa estudantil intelectualizada, formada durante a ditadura, agora age por conta própria dobrando seu salário, qual o caráter do político futuro formado por esta geração silenciosa e cúmplice?

Voltando aos congressistas... Aldo Rebelo foi enfático quando afirmou aos repórteres que fará cortes nos gastos para compensar. Entre eles o cancelamento da construção dos novos apartamentos para deputados e as reformas dos já existentes. Então tudo bem. Assume-se os novos salários e economiza-se nos salários que não serão mais preciso pagar (pedreiros, eletricistas, bombeiros hidráulicos, mestres de obras, vidraceiros, marceneiros, ferreiros, jardineiros, chaveiros, porteiros, faxineiros, seguranças...).

Vale registrar os congressistas presentes na palhaçada chamada por sessão: Aldo Rebelo, Arlindo Chinaglia, Benedito de Lira, Bismarck Maia, Carlos Willian, Ciro Nogueira, Coubert Martins, Demóstenes Torres, Efraim Moraes, Givaldo Carimbão, Ideli Salvatti, Inácio Arruda, Inocêncio Oliveira, Jorge Alberto, José Carlos Aleluia, José Múcio, Luciano Castro, Mário Heringer, Miro Teixeira, Ney Suassuna, Renan Calheiros, Rodrigo Maia, Sandra Rosado, Sandro Mabel, Tião Viana e Wilson Santiago.

Apenas Chico Alencar, Henrique Fontana e Heloísa Helena foram os participantes contrários ao aumento. E isolado, sem ter estado lá, Gabeira já berra o absurdo aos quatro cantos, buscando meios legais de anular a decisão. Sempre o incansável Gabeira...

Somos de fato culpados. Continuamos re-elegendo os ‘Paulos Malufes’. Merecemos isso e que eles tenham mais e mais aumentos. Porque aceitamos simplesmente. Com a grandiosidade do nosso elevado espírito natalino moldado em promoções de shopping centers.

Talvez o Papai Noel não consiga atender e agradar a todos, mas na dúvida oferecemos nossa compaixão e damos ao bom velhinho a prioridade por Brasília... Afinal, o restante é só resto mesmo! Ah, que pena que você faz parte do resto...

O Brasil me ofende. A emoção construída e ensaiada de Lula, durante diplomação e confirmação de seu segundo mandato, me ofende. O Ministro da Defesa, Waldir Pires, afirmar que “o salário de um Ministro de Estado, tirando o Imposto de Renda, não dá R$ 6 mil” (e sem os benefícios, ele se esqueceu de dizer), me ofende. A humilhação dos artistas para tentar manter a esmola que o Governo destina à Cultura, me ofende. A existência de Edemar Cid Ferreira me ofende. O astronauta brasileiro me ofende. A CBF me ofende. Os pagodeiros, as bandas de axés com suas dançarinas de puteiro me ofendem. Os programas do Datena, Gugu Liberato, Faustão, Luciana Gimenez, Amaury Jr e tantos outros, me ofendem. O Silvio Santos ganhar o direito de construir o shopping no entorno do Teatro Oficina, após 50 anos de pesquisa e a última década de trabalho junto à comunidade e crianças carentes do Bexiga, me ofende. O sertão nordestino, as ligações dos presídios, as crianças drogadas que chegam para assaltar e matar, empregos de doze, quinze horas, me ofendem... A alegria patética do brasileiro em achar que algo vai mudar, melhorar, acontecer sozinho, me ofende.

Quero que o brasileiro desapareça. Destruir esse paraíso ridículo. Devolvê-lo aos índios. Não os vestidos com shorts adidas, mas os nus! Que gritem os ofendidos, mas os americanos estão certos, somos primitivos sem moral festejando eternamente em praias tropicais.

Nesse natal, desejo a todos tristeza, vergonha, medo, fome, raiva, doença, sofrimento. Pois para o brasileiro só no sentir na própria pele é capaz de gerar reações, do contrário fodam-se os problemas dos outros. E existe algo mais cristão do que a revelação e exposição da condição humana? Então comemoremos o nascimento de Cristo lembrando e sentindo a realidade sem fugas, sem maquiagem. Olhando a vida como ela se coloca de fato. Aceitando nossas culpas, nossas indiferenças. As conseqüências de nossa submissão.

A igreja católica nos fez esquecer algo básico, desde o ano zero: o povo escolhera Barrabás. O antagonista, a presença de desequilíbrio do poder e da estrutura reinante, o revolucionário, a transformação. O bandido cuja face não era o crime da riqueza ou sadismo. Aquele cuja presença representava o perigo do instável, do crítico, da oposição politizada e fundamentada em julgamentos morais e humanos.

Cristo, com sua retórica passiva, terminara vendido em crucifixo para nos lembrar o pecado e o inferno que nos aguardam se não formos obedientes às vontades do poder.

O brasileiro, se quiser de fato evoluir, não tem direito a um natal cristão, apenas a um natal ‘barrabaziano’.

A falta de atitude do brasileiro faz do vir fato certo da derrota, do continuismo eterno. E enquanto assobiamos melodias natalinas intercaladas com pagode, entre champanhe e cerveja de promoção, uva-passa e churrasco, a gangue instaurada no Planalto saqueia a educação, cultura, saúde. Destrói o futuro como quem brinca com um brinquedo sem valor.

Somos a merda que queremos e nos orgulhamos tanto em ser.

Idiotas. Verdadeiros, idiotas. E estou de saco-cheio de não ver o brasileiro gritar por aí!

5 Comments:

  • Só não concordo que sou idiota, de resto está tudo certo. O brasileiro não tem capacidade de indgnar-se. Há tempos tenho vergonha de ser " brasileiro" .
    Um abraço.
    Eduardo

    By Anonymous Anônimo, at 7:11 PM  

  • Senhor Ruy Filho

    Quando que a população brasileira irá assumir que o problema não é de Brasília e sim de todos os cidadãos brasileiros maiores que 16 anos, que não utilizam corretamente a grande arma chamada voto..........

    Nos moradores da cidade de Brasília, não temos culpa pelos politicos que o resto do país nos encaminham....

    Para o senhor ter uma ideia a cidade de Brasília só participa no congresso nacional com 8 deputados federais e 3 senadores dessa forma a culpa não é da população de Brasilia e sim de todo o país.

    Infelizmente a cidade leva a fama de todo o país

    By Anonymous Denise Queiroz, at 9:01 PM  

  • Bom Ruy,

    como se diz não há como agradar a gregos e troianos. EStou com você no seu grito verborrágico de indignação. Só reluto numa parte do seu texto: ao contrário do que vc pode pensar, nem para indigna-se com aumento de passagem dos ônibus os universitários de plantão se mexem, mas venhamos e convenhamos quantas leis são realizadas sem sequer ser alardeada pela nossa imprensa? Pois é, acredite o aumento dos salários do deputado é uma desmoralização e acredito que teve voz porque nosso comujista quer continuar na casa ou melhor na cadeira de destaque na casa, mas diferentemente de aumento nas tarifas leis deste tipo, ou resocluções não são divulgadas pela nossa imprensa. Porém, ainda sim concordo com vc podia até passar a decisão, mas a estudantada devia ganhar as ruas...
    Quanto a elição direta para UNe te notifico que vivo esta experiencia na entidade de representação dos estudantes de comunicação e não funciona nada...sinceramente não sei o que fazêr..Pois é.

    By Anonymous Tatiana, at 1:53 AM  

  • DENISE

    Compreendo sua indignação.

    Mas não vejo a associação da cidade de Brasília com a estrutura política nacional como "fama". Talvez seja mais uma adjetivação. O que também não ajuda em nada para a relação da cidade com o restante do país.

    Você está absolutamente certa! Generalizações trazem confusões e condicionamentos.

    Tomarei mais cuidados.

    Abraços
    RUY FILHO

    By Blogger Ruy Filho, at 4:08 AM  

  • Todos nós camaradas temos doses de imbecilidades.
    Brasília em parte é fruto da estupidez de muito brasileiros, da ignorância artificial de muitos brasileiros.
    Concordo com você mas tudo isso de uma certa maneira é parte de todos nós, ou melhor são feridas expostas.
    Mas o país vai melhorando

    By Anonymous ediney santana, at 5:49 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home